PUBLICIDADE

Vitória 1 x 0 Vasco: Tentativa e erro

Futebol Vitória

 

No ano passado, Paulo Cesar Carpegiani deu um jeito no Bahia que flertou com vaga na Libertadores até as últimas rodadas. Neste ano, chegou a um Vitória desenganado e já engatou a quarta vitória consecutiva, sem sofrer gols, para respirar com alívio olhando a zona do rebaixamento com alguma segurança.

O jogo foi de tentativa e erro. Não muitas tentativas. E muitos erros.

A precaução dos times pode ser explicada não só pelo confronto direto com vistas a sair das proximidades da zona da degola. Como principalmente pelas trincas de volantes escaladas de parte a parte. Quem tem muitos jogadores que têm como função prioritária desarmar, via de regra não consegue criar. A impressão foi a de que o 1º tempo teve 48 minutos de acréscimos, não de jogo.

O Leão encorpou atrás. Ficou três jogos sem sofrer gols. Montou um bloqueio para proteger a zaga e impedir as ações do adversário. Faltou ter alguém lúcido na construção.

Louvável a tentativa de Alberto Valentim de tentar montar um time que goste da bola. E colocá-la no chão a fim de trabalhar com paciência. Não é fácil. Especialmente pelas três derrotas seguidas do técnico que acaba de chegar.

Valentim honrou o sobrenome ao poupar Yago Pikachu por desgaste. Justamente o fio de esperança de um time com escassez de talento. Wagner tentou, sem êxito, acionar os centroavantes Andrés Rios e Maxi López mais à frente. O resultado foi nenhum chute correto.

Na parte complementar, o show de horrores continuou. Léo Ceará perdeu um gol que se não era feito deveria ter sido finalizado com maior eficiência do que o cabeceio torto, fora do gol. Era uma mostra.

Pikachu entrou e deu uma luz ao ataque do Vasco. Na chance derradeira, ele parou na trave e em uma defesaça de Ronaldo, à queima-roupa. Não se pode desperdiçar chances assim. Jogos diretos, sobretudo quando a briga é pesada contra o rebaixamento e contra o emocional, são decididos nos mais sutis detalhes.

O que não foi nada sutil foi o latifúndio deixado pela defesa do Vasco. Linha alta e nada sustentada pelo meio. Passe de trivela de Léo Gomes e tapa consciente de Erick, na saída de Silva. 1 a 0.

Antes da saída para o reinício de jogo, Yago perdeu a cabeça e se desentendeu com Lucas Ribeiro. Os dois foram para a rua. Expulsos.

Valentim abriu de vez o time com Marrony e Kelvin. Incrivelmente teve pelo menos duas enormes chances para empatar. Parou em Ronaldo. E na incapacidade de chutar a bola no gol. O técnico perde a 4ª seguida e tem o clássico dos Milhões pela frente.

O Vitória ganha fôlego. E confiança. Dois adjetivos imprescindíveis para quem busca sair da areia movediça.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
© PRORROGAÇÃO 2018 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS