PUBLICIDADE

São Paulo 1 x 1 Fluminense: Tréllez garante ponto valioso no clássico de Tricolores

Futebol São Paulo

 

O São Paulo conquistou um ponto em jogo que estava fadado à derrota pela bobagem de um dos principais jogadores do time na competição. No final das contas, o empate por 1 a 1 contra o Fluminense, no Morumbi novamente com belo público, foi satisfatório.

Sem Éverton nem Nenê era sabido que o São Paulo teria maior dificuldade para chegar ao gol ou criar chances pelo menos para chutar em busca dele.

Uma chance mais ou menos, sendo muito generoso, em um lateral monstro de Reinaldo na área no qual Bruno Alves cabeceou para defesa simples de Julio Cesar.

Mesmo fora de casa e com um meio-campo mais resguardado com uma trinca de volantes dando o suporte a Sornoza, a cabeça-pensante do 4-3-1-2 de Marcelo Oliveira.

O Flu terminou a primeira etapa com a chance mais clara de gol, forçando pela canhota. Ayrton Lucas foi ao fundo e rolou por baixo e Jádson bateu para carimbar o travessão. Em um espaço incomum deixado na cabeça da área são-paulina.

Acelerou bem não só com Ayrton como com Everaldo pela banda direita, o lado mais forte de um time enfraquecido pela ausência de seu artilheiro Pedro.

Por falar em artilharia, Diego Souza foi muito infantil ao desferir uma cotovelada desnecessária e digna de expulsão, confirmada por Dewson de Freitas em lance com Léo.

Bizarra a forma como um jogador de tamanha experiência vai para o chuveiro aos 36 minutos de jogo sem o menor propósito e acaba mudando a proposta de um time que, por característica e pelas ausência, já não era criativo.

O Flu queria a vitória. A entrada de Junior Dutra na vaga de Jádson ilustra bem a iniciativa de Marcelo Oliveira. Mas o gol saiu por falta de comunicação.

Importante a bola esticada por Junior Sornoza buscando a entrada em diagonal de Kayke. Anderson Martins escorou para trás, na tentativa de deixar Sidão na boa com a bola. Ansioso, o goleiro antecipou o movimento e deixou a meta vazia para a bola morrer no fundo da rede. 1 a 0.

O Tricolor Paulista estava com muitas dificuldades para sair jogando. Muitas mesmo. 45 passes errados para um time que teve menos posse de bola (47%).

Ofensivamente, quem mais tentou foi Reinaldo. Jogando mais adiantado como meia pela esquerda no 4-4-1 de Aguirre, o camisa 14 foi o responsável pelas bolas paradas, ora em escanteios e faltas, ora nos arremessos laterais.

Ele pararia em Júlio César, em cobrança de falta bem feita no ângulo. Em um momento no qual o São Paulo tentou avançar um tantinho, apesar dos pesares e da flutuação de Shaylon, comprometida por jogar com um a menos.

Um líder se faz por aproveitar os momentos favoráveis que se apresentam jogo a jogo. Mesmo em dias nada favoráveis como o de hoje.

Santiago Tréllez foi a campo. Não seria dia de fartura de finalizações nem de chances. Não seria dia de falhar.

E aos 26 minutos a sorte sorriu mais uma vez para o colombiano. Palmas para Aguirre mais uma vez por tê-lo colocado. E por colocar Régis, que aproveitou o vacilo de Ayrton Lucas, foi ao fundo e cruzou. Tréllez, de cabeça, cumprimentou o goleiro. Gol de empate, valioso como uma vitória, em um Morumbi com mais de 49 mil torcedores.

Jogo que ficou intenso após o empate. Que se mostrou mais aberto ainda quando o Flu lançou os atacantes Luciano e Matheus Alessandro, que bateu cruzado para acertar a trave de Sidão, peça de destaque mínimo na partida. Nenhuma defesa dele no jogo.

Empate justo e, dado o contexto, muito bom para o São Paulo, ainda que o Internacional possa encurtar a distância na liderança.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
© PRORROGAÇÃO 2018 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS