PUBLICIDADE

Enciclopédia da Copa: O ritmo senegalês

Copa do Mundo Senegal

A Seleção do Senegal participou de nove edições da Copa das Nações Africanas, sendo que seu melhor desempenho foi o vice-campeonato em 2002, perdendo a final nas penalidades para Marrocos. Mas a grande façanha dos senegaleses naquele ano foi a primeira e única participação do país em Copas do Mundo. Após estrear com vitória de 1×0 sobre os franceses – na época, os atuais campeões mundiais – Senegal se classificou para a fase seguinte com mais dois empates, diante de Dinamarca e Uruguai. As duas seleções campeãs do mundo foram eliminadas ainda na fase de grupos. Nas oitavas-de-final, Senegal enfrentou a Suécia e após 1×1 no tempo normal, avançou com um ”Gol de Ouro” de Henri Camara, que também foi o autor do gol senegalês nos 90 minutos regulamentares. A eliminação para a Turquia, também na prorrogação, não tirou o brilho da campanha de Senegal, a segunda seleção africana a chegar as quartas-de-final de uma Copa do Mundo – a primeira foi Camarões, em 1990; Gana repetiria o feito em 2010. Apesar do bom ano de 2002, até 2012, os senegaleses não conseguiram uma segunda classificação para mundiais. Naquela edição, o uniforme titular de Senegal era composto por camisa branca, com detalhes vermelhos, amarelos e verdes, as cores da bandeira nacional. Até hoje, o modelo branco é adotado como “Home Kit” e o verde como “Away Kit”, porém, nem sempre as três cores da bandeira estão contempladas nas camisas, shorts e meiões.

Uniforme de Senegal, na Copa do Mundo.

Ex-volante, o senegalês Aliou Cissé fez parte do time que conseguiu a 1ª classificação da seleção para uma Copa do Mundo. No Mundial de 2002, foi o capitão da equipe e ajudou o time a ir até as quartas-de-final, ganhando da poderosa França na 1ª rodada e ainda de quebra eliminando a favorita Suécia no “gol de ouro” nas oitavas de final. Ele se aposentou do futebol em 2009, atuando pelo Nimes-FRA, e iniciou carreira como auxiliar-técnico três anos depois, na seleção sub-23 de Senegal. No ano seguinte, virou treinador da equipe e, em 2015, foi apontado como nome para conduzir o país nas eliminatórias africanas. Mostrando na lateral do campo o mesmo espírito de liderança dos tempos de jogador, ele formou um elenco competitivo e que conquistou a vaga na Copa com uma rodada de antecedência e total autoridade: foram quatro vitórias e dois empates até agora no qualificatório. Além disso, fez boa campanha na última Copa Africana de Nações, classificando Senegal em 1º lugar do grupo B, mas caindo nos pênaltis para Camarões nas quartas de final. Para o ano que vem, tudo indica que ele deve ser o treinador na Rússia, já que tem enorme respeito e admiração de seus comandados.

Aliou Cissé, técnico senegalês no mundial.

Revelado pelo Génération Foot, tradicional formador de jogadores no Senegal, Sadio Mané iniciou sua carreira no Metz, da França, em 2011. De cara, impressionou pela velocidade e pelos dribles, sendo contratado pelo rico Red Bull Salzburg, da Áustria, em 2012, por 4 milhões de euros. Após duas temporadas de sucesso, teve sua 1ª chance na Premier League em 2014, quando foi comprado pelo Southampton já por 23 milhões de euros. Na Inglaterra, ele arrebentou fazendo ótima dupla de ataque com o italiano Graziano Pellè, e cansou de fazer gols e dar assistências. Inevitavelmente, Mané despertou a cobiça dos grades clubes do país, e, ano passado, o gigante Liverpool desembolsou nada menos que 41,2 milhões de euros para contratar o senegalês. O atacante rapidamente se encaixou na equipe do técnico Jurgen Klopp e tornou-se de imediato um dos principais jogadores dos Reds, formando um poderoso quarteto de ataque com Philippe Coutinho, Salah e Roberto Firmino. Pela seleção senegalesa, que representa desde as categorias de base, ele disputou os Jogos Olímpicos de 2012, caindo nas quartas de final, e as Copas Africanas de Nações de 2015 (eliminado na fase de grupos) e 2017 (eliminado nas quartas de final). Suas atuações nas eliminatórias africanas foram decisivas, e ele é um dos grandes responsáveis pela classificação dos “Leões de Teranga” para a Copa da Rússia, após o país ficar de fora dos três últimos Mundiais. No ano que vem, é um dos nomes em que vale ficar de olho durante o torneio.

Sadio Mané, esperança senegalesa no mundial.

Abaixo, nossa equipe do Prorrogação montou um resumo das participações de Senegal em Copa do Mundo e Copa Africana.

Retrospecto da seleção do Senegal em Copas do Mundo

1930 a 1962 – Não disputou
1966 – Desistiu
1970 a 1998 – Não se classificou
2002 – Eliminada nas quartas-de-final
2006 a 2014 – Não se classificou
2018 – Classificada para a Copa do Mundo


Retrospecto da seleção do Senegal na Copa das Nações Africanas

1957 a 1963 – Não disputou
1965 – 4º lugar
1968 – Eliminada na 1ª Fase
1970 a 1978 – Não se classificou
1980 – Não disputou
1982 a 1984 – Não se classificou
1986 – Eliminada na 1ª Fase
1988 – Não se classificou
1990 – 4º lugar
1992 – Eliminada nas quartas-de-final
1994 – Eliminada nas quartas-de-final
1996 a 1998 – Não se classificou
2000 – Eliminada nas quartas-de-final
2002 – Vice-campeã
2004 – Eliminada nas quartas-de-final
2006 – 4º lugar
2008 – Eliminada na 1ª Fase
2010 – Não se classificou
2012 – Eliminada na 1ª Fase
2013 – Não se classificou
2015 – Eliminada na 1ª Fase
2017 – Eliminada nas quartas-de-final

O técnico senegalês, Aliou Cissé levou o que tem de melhor e de sua confiança para o mundial. Com um futebol empolgante, Senegal prometeu impressionar nesse mundial.

Goleiros: Brad Jones – Feyenoord (Holanda), Mathew Ryan – Brighton & Hove Albion (Inglaterra) e Danny Vukovic – Genk (Bélgica);

Defensores: Aziz Behich – Bursaspor (Turquia), Milos Degenek – Yokohama Marinos (Japão), Matthew Jurman – Suwon Samsung Bluewings FC(Coréia do Sul), James Meredith – Millwall FC (Inglaterra), Josh Risdon – Western Sydney Wanderers (Austrália) e Trent Sainsbury – Grasshopper (Bélgica);

Meio-campistas: Jackson Irvine – Hull City (Inglaterra), Mile Jedinak – Aston Villa (Inglaterra), Robbie Kruse – Bochum (Alemanha), Massimo Luongo – Queens Park Rangers (Inglaterra), Mark Milligan – Al-Ahli Jeddah (Arábia Saudita), Aaron Mooy – Huddersfield Town (Inglaterra), Tom Rogic – Celtic FC (Escócia) e James Troisi – Melbourne Victory (Austrália);

Atacantes: Daniel Arzani – Melbourne City FC (Austrália), Tim Cahill – Millwall FC (Inglaterra), Tomi Juric – FC Luzer (Suíça), Mathew Leckie – Hertha Berlim (Alemanha), Andrew Nabbout – Urawa Red Diamonds (Japão) e Dimi Petratos – Maccabi Haifa (Israel).

Base da seleção senegalesa para o mundial.

A seleção de Senegal estreia no mundial diante da Polônia no dia 19/06; cinco dias mais tarde, encara o Japão, e finaliza a primeira fase do mundial no dia 28/06 contra a Colômbia.

Grupo H da Copa do Mundo 2018.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
© PRORROGAÇÃO 2018 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS