PUBLICIDADE

Enciclopédia da Copa: O amarelo e azul da Suécia

Copa do Mundo Suécia

A Seleção Sueca de Futebol participou de 11 Copas do Mundo, contudo, sem nunca ter alcançado o título. Sua maior façanha em mundiais é o vice-campeonato de 1958 quando foi a sede da competição. Na final, os suecos perderam de virada para o Brasil de Pelé, pelo placar de 5×2. Por sinal, o confronto contra os brasileiros é o que mais se repetiu na história das Copas. Ao todo, foram sete partidas, com cinco vitórias dos sul-americanos (4×2, em 1938; 7×1, em 1950; 5×2, em 1958; 2×1, em 1990 e 1×0, em 1994), e dois empates (1×1, em 1978 e 1×1, em 1994). A Suécia também figurou na 3ª colocação nas Copas de 1950 e 1994.

Seleção da Suécia, na Copa do Mundo de 1958.

Nas Olimpíadas, o cenário é mais positivo. Foram três medalhas, sendo que em 1948, os suecos subiram no lugar mais alto do pódio ao vencerem a final contra a Iugoslávia. No âmbito continental, o melhor desempenho sueco foi em 1992, justamente quando sediou e estreou na Eurocopa, chegando às semifinais da competição, sendo eliminada pela Alemanha. 

Suécia x Inglaterra pela Copa do Mundo de 1992.

Apesar de jogar as Copas do Mundo de 1934 e 1938 com uniforme azul, o amarelo sempre predominou nas camisas da Suécia. Apenas em 1994, a Suécia fugiu às duas cores da bandeira e utilizou o branco como cor principal do seu uniforme reserva. No peito esquerdo, a Suécia utiliza a bandeira nacional. O fato curioso é que justamente nas camisas de 1934 e 1938, o desenho da cruz nórdica esteve invertido, com a cruz azul e o fundo amarelo.

Uniforme principal da Suécia no mundial de 2018.

Janne Andersson, um ex-jogador de pouco destaque, iniciou sua carreira de treinador no modesto Alets, de seu país, em 1988. Nos anos seguintes, teve duas passagens pelo Halmstads, duas como assistente e uma como técnico, além de ter comandado o Laholms e o Örgryte. Foi em 2010, porém, que sua vida mudou. Neste ano, ele foi contratado pelo IFK Norrköping, um dos mais importantes times da Suécia e dono de 13 títulos nacionais, mas que não ganhava a liga sueca desde 1989. Sob o comando de Andersson, porém, o Norrköping voltou a ser temido e faturou o Campeonato Sueco em 2015, deixando os favoritos IFK Gotemburgo e AIK para trás e virando um herói na cidade de 137 mil habitantes. Seu trabalho chamou a atenção na seleção do país, que o contratou para suceder a Erik Hamrén após a fraca campanha do técnico na última Eurocopa. Em seu primeiro trabalho, Andersson teve ótimo desempenho, disputando a liderança das eliminatórias da Copa-2018 ponto a ponto com a fortíssima França e depois eliminando a tradicional Itália na repescagem, voltando a classificar a Suécia para uma Copa pela primeira vez desde 2006.

Janne Andersson, técnico da Suécia.

O craque sueco, Emil Forsberg, revelado pelo pequeno GIF Sundsvall, o talentoso meia despontou para o futebol europeu em 2013, quando foi contratado pelo Malmo, um dos mais importantes times da Suécia – e equipe na qual surgiu ninguém menos que Zlatan Ibrahimovic. Forsberg rapidamente tornou-se o principal jogador do clube e comandou as conquistas dos Campeonatos Suecos e das Supercopas da Suécia de 2013 e 2014. Em 2015, o RB Leipzig, time em rápida ascensão no futebol alemão, resolveu apostar no jovem talento sueco e pagou 3,7 milhões de euros (R$ 14,15 milhões, na cotação atual) por seu futebol. A aposta não poderia ter dado mais certo, e hoje o atleta de 26 anos, que ajudou a levar o Leipzig à elite alemã logo em seu primeiro ano, é o principal jogador do clube, atual vice-campeão de Bundesliga e disputando sua primeira Champions League na história. Dono de passes precisos e de uma finalização espetacular de fora da área, hoje ele é avaliado em 22 milhões de euros (R$ 84,16 milhões) pelo site Transfermarkt e vem sendo seguido há meses pelos grandes clubes da Europa. Pela seleção sueca, o meia é convocado regularmente desde a categoria sub-19, e no ano passado fez parte do grupo que foi eliminado na primeira fase da Euro-2016. Com a aposentadoria de Zlatan Ibrahimovic da equipe nacional, o armador herdou a camisa 10 e comandou a classificação sueca para mais uma Copa do Mundo com atuações decisivas nas eliminatórias da Uefa.

Emil Forsberg, principal jogador sueco no mundial.

Abaixo, nossa equipe do Prorrogação fez um pequeno resumo das participações da Suécia em Copas do Mundo e Eurocopa; destaque para o vice-campeonato mundial, em 1958.

Retrospecto da seleção da Suécia em Copas do Mundo

1930 – Não disputou
1934 – Eliminada nas quartas-de-final
1938 – 4º lugar
1950 – 3º lugar
1954 – Não se classificou
1958 – Vice-campeã
1962 – Não se classificou
1966 – Não se classificou
1970 – Eliminada na 1ª fase
1974 – Eliminada na 2ª fase
1978 – Eliminada na 1ª fase
1982 – Não se classificou
1986 – Não se classificou
1990 – Eliminada na 1ª fase
1994 – 3º lugar
1998 – Não se classificou
2002 – Eliminada nas oitavas-de-final
2006 – Eliminada nas oitavas-de-final
2010 – Não se classificou
2014 – Não se classificou


Retrospecto da seleção da Suécia na Eurocopa

1960 a 1988 – Não se classificou
1992 – Eliminada nas semifinais
1996 – Não se classificou
2000 – Eliminada na 1ª fase
2004 – Eliminada nas quartas-de-final
2008 – Eliminada na 1ª fase
2012 – Eliminada na 1ª fase
2016 – Eliminada na 1ª fase

O técnico Janne Anderson já definiu a equipe que levará até a Rússia, para disputar o mundial. O comandante sueco, vem fazendo um ótimo campanha, e espera que o desempenho possa ter continuidade no mundial. Abaixo, nós do Prorrogação colocamos os nomes que jogarão pela Suécia no mundial; Destaque para a ausência do astro Zlatan Ibrahimovic.

Goleiros: Robin Olsen (Copenhague), Karl-Johan Johnsson (Guingamp) e Kristoffer Nordfeldt (Swansea)
Defensores: Mikael Lustig (Celtic), Emil Krafth (Bologna), Andreas Granqvist (Krasnodar), Victor Nilsson-Lindelöf (Manchester United), Pontus Jansson (Leeds United), Filip Helander (Bologna), Ludwig Augustinsson (Werder Bremen) e Martin Olsson (Swansea)
Meio-campistas: Emil Forsberg (RB Leipzig), Jimmy Durmaz (Toulouse), Sebastian Larsson (Hull City), Albin Ekdal (Hamburgo), Viktor Claesson (Krasnodar), Gustav Svensson (Seattle Sounders), Oscar Hiljemark (Genoa) e Marcus Rohdén (Crotone)
Atacantes: Marcus Berg (Al Ain), Ola Toivonen (Toulouse), John Guidetti (Alavés) e Isaac Kiese Thelin (Waasland-Beveren)

Base da seleção da Suécia, para a Copa do Mundo de 2018.

A Suécia fará dois jogos em preparação para o mundial; o primeiro é contra a Dinamarca, no dia 02/06. Logo em seguida, enfrenta o Peru no dia 09/06. Já no mundial, a Suécia estreia diante da Coreia do Sul no dia 18/06; alguns dias após a estreia, encara a forte seleção da Alemanha, no dia 23/06, e fecha a participação na primeira fase diante do México, no dia 27/06.

Grupo F, na Copa do Mundo 2018.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
© PRORROGAÇÃO 2018 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS