PUBLICIDADE

Fernando Diniz revolucionando o futebol brasileiro

Atlético Paranaense Campeonato Brasileiro

No inicio de janeiro, o Atlético-PR anunciou a contratação do técnico Fernando Diniz, que enfim iria dirigir um time na Série A do campeonato brasileiro. O técnico já havia chamado atenção pela forma com que o seu time joga taticamente.

O trabalho que mais chamou atenção, foi quando Diniz comandou o Audax-SP ao vice-campeonato paulista em 2016; naquela competição, Diniz foi responsável por eliminar São Paulo e Corinthians respectivamente; além disso revelou alguns jogadores, como Camacho (Atlético-PR), Tchê Tchê (Palmeiras), Sidão (São Paulo) e Yuri (Santos). Mas o que mais chamou atenção naquela campanha, foi a forma que a equipe atuou; com um grande volume de jogo, e uma troca de passe sempre objetiva, o Audax utilizava até o goleiro para iniciar as suas jogadas, e pouco utilizava o “chutão”.

A filosofia de jogo era muito ousada, e chamava atenção dos gigantes do futebol brasileiro; Diniz chegou a receber ofertas de alguns clubes, porém recusou. Além de técnico, Fernando Diniz é formado em psicologia, e já deixou claro diversas vezes que pensa no jogador, afinal se o jogador não estiver focado em sua carreira, ele não irá produzir em campo.

Desde a sua chegada ao Furacão, Fernando Diniz conseguiu mostrar um futebol envolvente, e em quase todo o estadual, jogou com uma equipe alternativa; a equipe considerada titular, estava sendo preparada para o restante da temporada, e era utilizada em jogos de maior importância ao furacão.

Atualmente o Furacão vem jogando com três zagueiros, 2 alas de muita velocidade, três homens no meio-campo para uma maior movimentação, e apenas uma referência no ataque; esse jogador de referência, não fica preso entre os zagueiros esperando uma bola para finalizar, geralmente participa da troca de passe como um homem do meio-campo.

Os alas que ajudam na recomposição, acabam formando uma linha com cinco jogadores no setor defensivo; quando o Furacão ataca, principalmente em jogadas de linha de fundo, os alas entram na área para dar uma opção maior no ataque. O esquema de jogo muito ousado, tem os seus riscos; com a troca de passe, o time acaba ficando mais compacto e as vezes deixa o time adversário subir a marcação até sua intermediaria defensiva; em caso de erro, o contra-ataque adversário poderá ser mortal.

Será que dessa vez, Fernando Diniz terá sucesso e poderá dar sequência em seu trabalho? Todos gostariam de vê-lo em algum time da Série A, a oportunidade chegou, e só o tempo irá nos dizer se Fernando Diniz irá conseguir colocar seu nome entre os grandes técnicos da nova geração do futebol brasileiro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
© PRORROGAÇÃO 2018 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS